Follow by Email

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Fadiga por Compaixão e Burnout em Medicina Veterinária. Ou o custo de cuidar do Outro em sofrimento...


Recente pesquisa realizada no Reino Unido mostrou que a taxa de suicídio entre Médicos Veterinários é quatro vezes superior que no restante da população e duas vezes superior que entre outros profissionais de saúde. No Brasil muitos profissionais desistem da carreira, assolados por dúvidas, inseguranças, frustração e decepção.

Mas o que é tão específico na profissão do Médico Veterinário? Bem, lidamos com a morte cinco vezes mais que outros profissionais de saúde; independentemente de nossa especialidade provavelmente acompanharemos a morte de todos os nossos pacientes. Entretanto há muitos outros fatores; a falta de reconhecimento profissional, baixa remuneração, falta de espaço pessoal e o convívio com animais (e seus tutores) em sofrimento se somam podendo levar ao desenvolvimento da Síndrome da Fadiga por Compaixão e ao Burnout.

Neste artigo pretendo explorar as razões emocionais que muitas vezes levam à frustração profissional entre MVs, notadamente a Fadiga por Compaixão e o Burnout, como também como identificá-las e o que podemos fazer a respeito.


Fadiga por Compaixão x Burnout

O termo Fadiga por Compaixão ainda é pouco conhecido no Brasil e geralmente é confundido com o termo mais abrangente e popular Burnout. Afinal o que são e quais as diferenças?

O Burnout é resultante da insatisfação geral e crônica com o ambiente de trabalho. O termo foi criado no início dos anos 90 na tentativa de entender o adoecimento emocional e psicossomático entre enfermeiros, entretanto rapidamente foi estendido a outros profissionais, sem explicar o adoecimento específico dos profissionais de sáude.

Foi criado, então, o conceito de Fadiga por Compaixão, que abarca várias características do Burnout, mas também outras especificamente relacionadas ao trabalho de profissionais de saúde. Ou seja, enquanto o Burnout trata da exaustão daqueles que trabalham com o OUTRO, a Fadiga por Compaixão trata daqueles que trabalham com o OUTRO EM SOFRIMENTO. Assim, enquanto o Burnout é resultante da insatisfação com o ambiente de trabalho, a Fadiga por Compaixão refere-se à exaustão emocional (com reflexos psicossomáticos) decorrente do trabalho com indivíduos em sofrimento; decorre do peso de se importar, do estresse de dispensar compaixão. A Fadiga por Compaixão é então definida enquanto “uma síndrome de exaustão biológica, psicológica e social que pode acometer indivíduos que liberam energia psíquica, em forma de compaixão, a outros seres (humanos ou animais) por um período de tempo, sem se sentirem suficientemente recompensados.”

Para entendermos melhor o conceito é importante definirmos empatia e compaixão. Na empatia temos o compartilhamento de emoções com o outro mais a consciência da diferenciação entre o Eu e o Outro (o compartilhamento de emoções sem consciência é chamado de contágio emocional). Na empatia também temos a flexibilidade mental, ou seja a simulação cognitiva de como nos sentiríamos, pensaríamos, reagiríamos se estivéssemos no lugar do outro – este processo é controlado e resultante de esforço intencional.

Já a compaixão é uma conexão emocional, conexão essa que faz com que o sujeito aja no sentido de aliviar a dor do outro (aqui, além dos componentes da empatia, surge a necessidade de agir em prol do outro, do alívio de seu sofrimento).

Na prática clinica, nós MVs temos compaixão tanto em relação aos nossos pacientes em sofrimento quanto em relação aos tutores. O que torna específica a Fadiga por Compaixão em nossa profissão é que temos defesas muito mais elaboradas para lidar com o sofrimento de outro ser humano do que com o de um animal.

Todos nós somos regidos por 1 sistema internalizado de crenças pessoais:

Sou bom;
Sou dedicado;
Sou empático;
Sou competente;
Tenho conhecimento;
Posso ajudar meus pacientes;
Salvo vidas;
Etc...

No contato com o sofrimento alheio em geral sofremos danos constantes ao sistema de crenças pessoais; não gostamos de alguns clientes/pacientes; somos incompetentes em alguns casos que atendemos, ignorantes de algumas condições e falhamos muitas vezes em ajudar nossos pacientes e confortar nossos clientes. Além disto, muitas vezes somos mal remunerados e nossos esforços não são reconhecidos. Este abalo sistemático no nosso sistema de crenças pessoais vai cobrar seu preço ao longo do tempo.


Sinais da Fadiga por Compaixão

Temos sempre que ter em mente que as consequências da Fadiga por Compaixão não são óbvias, principalmente para o próprio indivíduo acometido. Lembrem-se que esta Síndrome tem consequências psicológicas, sociais e físicas. Dentre alguns dos sinais temos:

- Dificuldade de concentração
- Diminuição do rendimento profissional
- Sentir-se desencorajado ou abatido
- Sentimento de impotência para resolver todos os problemas
- Exaustão
- Irritabilidade
- Conflito com outros (dentro e fora do ambiente profissional)
- Deterioração das relações interpessoais
- Diminuição do estado de saúde geral
- Diminuição da compaixão pelos outros
- Problemas gastrointestinais
- Dores de cabeça
- Cansaço
- Insônia
- Desesperança
- Questionamentos sobre a vida, a profissão e a importância e competência pessoais
- Ceticismo
- Culpa excessiva


O que fazer?

Não temos que esperar que o quadro de Fadiga por Compaixão se instale para só então tomarmos alguma atitude. Na verdade há algumas atitudes simples que podemos adotar de imediato. Dentre estas as mais importantes é fazermos algo – mensurável, que envolva uma rotina – para nós mesmos; por exemplo pararmos para almoçar todos os dias (e fazermos deste tempo um momento prazeroso, sem interrupções), entrarmos numa academia x vezes por semana, irmos todas as quartas-feiras ao cinema, etc... O importante aqui é tornar estes momentos pessoais rotineiros e não desistir deles, mesmo que tenhamos inúmeras coisas mais urgentes a fazer, estarmos cansados, sem vontade...

Outro fator importante é que muitas vezes a prática clínica é solitária e temos poucas oportunidades de compartilhar nossos casos mais complicados e frustrantes. Compartilhe, compartilhe, compartilhe, seja com colegas do próprio ambiente de trabalho como com outros amigos. Pode ser uma ótima idéia falar com antigos colegas da faculdade.


Lembre-se sempre:

Você é um herói realizando alguns dos trabalhos mais difíceis e mais importantes para animais. Sinta-se orgulhoso de você está fazendo a diferença. Saiba e reconheça que você é parte ativa da solução.

Dê uma olhada no porquê você é tão dedicado a ajudar os animais. Certifique-se de que você não está colocando o bem-estar dos pacientes antes de seu próprio. Você precisa se cuidar primeiro. Se você não cuidar de si mesmo, você não terá nada restando para oferecer.

Cuide de você. Se você não estiver bem poderá fazer muito menos.

Pratique criar limites emocionais. Você precisa se proteger contra as toxinas da dor emocional dos outros. Quando você assume problemas e dor alheios como se fossem seus, você é muito menos capaz de ajudar o Outro em sua dor e sofrimento, justamente o que originalmente se propôs a fazer. Lembre-se, isto não é empatia nem compaixão, é contágio emocional!

Encontre tempo em sua vida para relaxar e se divertir. Pode parecer infactível, mas é imperativo para o seu bem estar. Você tem algum hobby? Cultive as atividades e interesses que nada têm a ver com seu trabalho. Você precisa recarregar suas baterias e rejuvenescer a sua alma.

Todos nós temos nossos próprios problemas. Trabalhe na identificação dos seus; é importante enfrentar nossa própria dor e ter o cuidado de não tornar-se viciado em ajudar a curar os outros em vez de nós mesmos.Está tudo bem buscar ajuda profissional!

Estabeleça limites; você não tem que necessariamente estar disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano!

Você pode lidar com emoções fortes. Você não precisa evitá-las, mas sim processá-las. Angústia, tristeza, raiva e culpa estarão sempre presentes em seu trabalho.Você pode ter estes sentimentos – eles não vão transbordar e destruí-lo. Se você negá-los, vão “infeccionar” e levá-lo ao Burnout.

Aceite tanto a sua realidade quanto suas próprias limitações. Mesmo que vc queira, não pode salvar todos os animais que atende. Cada um de nós pode fazer a diferença, um animal de cada vez, e você provavelmente está fazendo um trabalho incrível nesse sentido todos os dias.

Alexandre Bastos Baptista
Médico Veterinário Endocrinologista
Psicólogo Clínico
Membro do Psiconvet - Estudos em Psico-Oncologia Veterinária

Para mais informações sobre a Fadiga por Compaixão recomendo o site do The Compassion Fatigue Awareness Project©

- endereço: žhttp://www.compassionfatigue.org/

sábado, 16 de maio de 2015

RJ - Ringo - Para Adoção

RJ - Ringo - Para Adoção
 

Espetacular Gatinho.
Lindo, muito carinhoso, adora brincar com a bolinha.


Fácil socialização, aceita bem outros animais.
Castrado, vermifugado, Testado


Contatos: 
Tel (21) 97131-4586
patasparaadocao@gmail.com

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Taurus - Gato Filhote Para Adoção



RJ - Taurus - Para Adoção

Espetacular macho, pelagem negra aveludada.

Filhote. Manso e muito calmo.



Gosta de brincar, correr atrás da bolinha.



Castrado, Testado, vermifugado.

A história:
Taurus foi abandonado ainda bebê, em uma colônia de rua, no Rio de Janeiro. Foi capturado para ser encaminhado para adoção. 
Taurus foi castrado e testado, é negativo para FIV/FeLV.

É um gatinho muito manso, gosta de brincar, aceita bem a companhia de outros felinos. 

Vive desde o resgate, há cerca de quatro meses em uma gaiolinha. 

Vamos ajudar nosso pequeno Taurus a encontrar um Lar e poder, finalmente, sair da gaiolinha


Contatos:
Tel (21) 97131-4586
patasparaadocao@gmail.com
Foto: Claudia Ribeiro

terça-feira, 5 de maio de 2015

Campanha de Adoção - 09/05/2015-

E se os Petshops cedessem seus expositores para colocar animais para adoção?

O Pet Fantasy cedeu 

E nós estaremos lá! 

Com nossos Peludos!


segunda-feira, 4 de maio de 2015

Preciosa - Gatinha em busca de um Lar

Esta é Preciosa






Recebeu esse nome pela beleza de sua expressão, pela doçura de seu temperamento.



Preciosa foi abandonada com seus três filhotes. Muito assustadinha, não se deixou capturar. Pegar os filhotes foi muito simples, pois estavam famintos e não tinham a "vivência da rua".



Precisamos de ajuda profissional,  Tony Resgate de Animais, para pegar essa mocinha.




Ela foi castrada, testada (negativa para FIV/FeLV) e retornaria para a colônia. Mas com perfil adequado para adoção, resolvemos tentar um lar para Preciosa.

Desde então ela mora em uma gaiola, à espera de uma família.




Não poderemos mante-la por muito mais tempo presa. Se não encontrarmos um lar em alguns dia será necessário devolve-la para a colônia.

Nos ajudem a achar Um Lar Para Preciosa.

Contatos:
Tel (21)97131-4586
patasparaadocao@gmail.com


domingo, 3 de maio de 2015

Marion Para Adoção





RJ - Tenho 6 meses, fui abandonada com três meses e desde então vivo em uma gaiolinha.
Me ajude a encontrar uma família e sair para sempre da gaiola.
Sou mansa, carinhosa e educada.



Já fui castrada, sou testada e negativa.

Me adota? Ou me divulga, quero correr, brincar, pular, dormir em uma caminha (ou quem sabe na cama do meu dono).



Meu nome é Marion.
Contatos:
Tel (21) 97131-4586
patasparaadocao@gmail.com
Foto: Claudia Ribeiro

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Campanha de Adoção - 02/05/2015

Sábado. 02 de maio de 2015

Das 10.00h às 17.00h

Praça General Osório  - Ipanema  -  RJ

Venha adotar!

Venha conhecer nossos Peludinhos.





Leve suas doações. Elas são fundamentais para a continuidade de nosso trabalho.




Câmara aprova prisão para quem matar cães e gatos


Câmara aprova prisão para quem matar cães e gatos


Pena, segundo o texto que ainda será votado no Senado, será de 1 a 3 anos de detenção. Texto também criminaliza o abandono dos animais e a realização de rinha de cães



O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (29), o Projeto de Lei 2833/11, do deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP), que criminaliza condutas contra a vida, a saúde ou a integridade de cães e gatos. A matéria, aprovada na forma de uma emenda substitutiva do deputado Lincoln Portela (PR-MG), será votada ainda pelo Senado.



De acordo com o texto, matar cão ou gato terá pena de detenção de 1 a 3 anos. A exceção será para a eutanásia, se o animal estiver em processo de morte agônico e irreversível, contanto que seja realizada de forma controlada e assistida.

Se o crime for cometido para controle populacional ou com a finalidade de controle zoonótico, a pena será de detenção de 1 a 3 anos. Neste último caso, ela será aplicada quando não houver comprovação de enfermidade infecto-contagiosa que não responda a tratamento.

Essas penas serão aumentadas em 1/3 se o crime for cometido com emprego de veneno, fogo, asfixia, espancamento, arrastadura, tortura ou outro meio cruel.


Leia a matéria completa aqui.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Câmara adia votação sobre criminalização de violência contra cães e gatos

O que podemos esperar dos nossos representantes, quando vemos os escândalos e mais escândalos, dos mais graves aos mais bizarros? 




Diversos deputados questionaram o fato de o texto estabelecer penas muito severas para os crimes praticados contra os animais.


Projeto estipula pena de 5 a 8 anos de reclusão para quem matar animais no Brasil.Foto: Eraldo Lopes

Brasília - O Plenário da Câmara dos Deputados decidiu, na manhã desta quinta-feira (23), adiar a votação, por duas sessões, do Projeto de Lei que criminaliza a prática de atos contra a vida, a saúde ou a integridade física e mental de cães e gatos.

Diversos deputados questionaram o fato de o texto estabelecer penas muito severas para os crimes praticados contra os animais. “Não se pode aprovar um texto que estabelece pena maior para o crime culposo cometido contra o animal do que o praticado contra pessoas”, disse o deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA).

O deputado Chico Alencar (Psol-RJ) também considera que a proporção da pena merece ser revista, bem como a possibilidade de abranger outros animais, além de cães e gatos. De acordo com o projeto, do deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP), a pena para quem provocar a morte desses animais seria de 5 a 8 anos de reclusão.

Fonte:  d24am.com






sábado, 25 de abril de 2015

Campanha de Adoção - Cancelada - 25/04/2015


Campanha de Adoção - 25/04/2015

Daqui a pouco
★ ★ ★ Sábado é dia de Adotar ★ ★ ★
Zona Sul: Praça General Osório  Ipanema - RJ
Venha nos visitar 
Adote  - Com responsabilidade.
Leve suas doações. Os animais agradecem e nós também 




segunda-feira, 13 de abril de 2015




Há duas maneiras de nos refugiarmos das misérias da vida,
Música e gatos.
                                         Albert Schweitzer

domingo, 12 de abril de 2015

A arte de dormir em uma caixa




A arte de dormir em uma caixa
(ou Minha Caixa, Minha Vida)




Ou do seu lado. 


Considere usar a aba superior 
da caixa como um travesseiro. 


Se você está de pelo comprido, 
use o benefício da cauda como casaco. 


Lembre-se que você e sua casa 
devem quase se tornar um. 


Use sua imaginação: tente uma posição S-like. 


Ou uma posição invertida, como C ... 


Ou até mesmo um L. 


Se você confia totalmente em seres humanos, 
relaxe as pernas ao máximo.

Como há posições que as vezes não se 
encaixam bem, 
você pode sempre experimentar. 


Se a caixa é pequena, tente deixar suas 
patas e cauda para fora dela ... 


ou esticar para fora apenas uma pata, 
como esta (pata traseira) ...


Ou como esta (pata dianteira) ...


Convide seu amigo para acompanhá-lo ...


em sua caixa. 



Seu tutor pode querer saber 
como você pode dormir assim ... 

Ignore-os ... 


Talvez eles nem percebam você ... 

Para evitar atenção indesejada, escolha uma caixa
que corresponda à sua cor de pele. 



Ou você pode tentar se esconder em uma caixa absolutamente inesperada... 


Esta posição é para os gatos 
muito experientes em yoga ... 


bem como esta ...


Mesmo pequenas caixas 
vão deixá-lo tirar uma soneca...


Você pode usar qualquer estrutura 
de caixa- para praticar um pouco ... 


Basta lembrar de ser criativo! 




sábado, 11 de abril de 2015

Campanha de adoção Virtual - Patas e Patas

Agora no Facebook temos uma nova página:

Patas e Patas - Campanha de Adoção Virtual 

Lá vocês vão encontrar todos os nossos MiAumigos que estão para adoção

Passem lá!

Curtam !

Divulguem!







Gato precisa arranhar

Gato precisa arranhar
por Laudo J. L. Bernardes



O ato de arranhar é uma atividade felina altamente saudável e faz parte da essência de qualquer gato.

Da mesma maneira que o gato se lambe todo, no intuito de higienizar-se (o tão conhecido "banho de gato"), ele também precisa arranhar para que suas unhas sejam aparadas.

Há dois motivos principais para o seu gatinho ou gatinha arranhar.

O primeiro motivo é a de se defender, o segundo é a remoção das capas velhas de unhas.




As unhas dos felinos nunca param 
de crescer. Ao crescerem, as unhas formam uma espécie de bainha escameada.

Essas películas incomodam os gatos e as gatinhas, portanto, 
ocorre a necessidade natural de arranhar. Dessa maneira, os felinos aliviam a sua iriitação...

E, de repente, lá está o gato arranhando o sofá novo da sala, os 
 pés da mesa de jantar, as cortinas da sala de visitas e, muitas vezes, as paredes de seu quarto, as portas do banheiro, etc, etc, etc...

Mas, lembre-se, faz parte da natureza de todo felino... Considerando, então, que o seu gato precisa e vai arranhar alguma coisa, é muito conveniente ensiná-
lo, ou melhor, educá-lo a arranhar alguns objetos específicos, facilmente encontrados em lojas para animais (Petshop), conhecidos como "Arranhadores Para Gatos"


Há uma infinidade de produtos à disposição, dos mais variados tipos e dos mais variados preços... Há arranhadores de carpete, de sisal, de madeira, de papelão... Portanto, é preciso estar atento antes de escolher o "melhor" arranhador para o seu gato ou para a sua gatinha...

Como regra principal, o seu gatinho tem que "gostar" do objeto escolhido, ou seja, o gato tem que ser atraído pelo arranhador, e a maneira mais eficaz disso acontecer é através de um dispositivo muito prático, conhecido como CatNip, a erva do gato. Essa erva, o CatNip, possui um princípio ativo chamado nepetalactone, que atrai os felinos...

É só esfregar a erva no arranhador para que o seu gato comece, imediatamente, arranhar o local desejado.

Os gatos são atraídos pelo CatNip e iniciam o ato de arranhar e como animais perceptivos e inteligentes que são, rapidamente compreendem que, ao arranharem, as suas unhas são aparadas, aliviando a irritação...



Pronto, o seu gato está ensinado a arranhar aquele determinado local. Toda vez que o felino se sentir irritado com o crescimento de suas unhas, ele naturalmente irá arranhar o "Arranhador" que você escolheu. E, caso isso não aconteça, esfregue mais um pouco de CatNip no local para atraí-lo...


Logicamente, quando for escolher o "Arranhador Para Gatos", 
dê preferência para aqueles que, comprovadamente, possuem a erva CatNip.

Da mesma maneira que seu gato se acostuma com o local para fazer suas necessidades fisiológicas (xixi e cocô), na bandeja de areia,é importante escolher um local definitivo para ser colocado o "Arranhador", pois quando ele precisar, vai achar facilmente...

Os "Arranhadores Para Gatos" não foram feitos para durarem para sempre, pelo simples motivo de que com o passar do tempo (e dos arranhões) eles se desgastam e se impregnam de sujeiras e cheiros, fazendo com que os felinos passem a repugná-los...





Quando notar esse comportamento, é hora de trocar,
para a felicidade e saúde de seus amiguinhos. E de sua mobílias, paredes, cortinas, carpetes, etc...


Nossa observação: prefira os modelos que fiquem bem apoiados no chão, como os das fotos. Arranhadores que viram quando os gatos arranham são inadequados pois os gatos ficam com medo e deixam de usar

Fonte: www.greepet.vet.br